Isaías 23

BCC

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20
21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40
41   42   43   44   45   46   47   48   49   50   51   52   53   54   55   56   57   58   59   60   61   62   63   64   65   66

1 Advertência contra Tiro: Pranteiem, navios de Társis! Pois Tiro foi destruída e ficou sem nenhuma casa e sem porto. De Chipre lhe veio essa mensagem.
2 Fiquem calados, habitantes das regiões litorâneas, e vocês, mercadores de Sidom, enriquecidos pelos que atravessam o mar 3 e as grandes águas. O trigo de Sior e a colheita do Nilo eram a sua renda, e vocês se tornaram o suprimento das nações.
4 Envergonhe-se, Sidom, pois o mar, a fortaleza do mar, falou: “Não estive em trabalho de parto nem dei à luz; não criei filhos nem eduquei filhas”.
5 Quando a notícia chegar ao Egito, ficarão angustiados com as novidades de Tiro.
6 Cruzem o mar para Társis; pranteiem, vocês, habitantes das regiões litorâneas.
7 É esta a cidade jubilosa que existe desde tempos muito antigos, cujos pés levaram a conquistar terras distantes?
8 Quem planejou isso contra Tiro, contra aquela que dava coroas, cujos comerciantes são príncipes, cujos negociantes são famosos em toda a terra?
9 O SENHOR dos Exércitos o planejou para abater todo orgulho e vaidade e humilhar todos os que têm fama na terra.
10 Cultive a sua terra como se cultivam as margens do Nilo, ó povo de Társis, pois você não tem mais porto.
11 O SENHOR estendeu a mão sobre o mar e fez tremer seus reinos. Acerca da Fenícia ordenou que as suas fortalezas sejam destruídas, 12 e disse: “Você não se alegrará mais, ó cidade de Sidom, virgem derrotada! “Levante-se, atravesse o mar até Chipre; nem lá você terá descanso”.
13 Olhem para a terra dos babilônios; esse é o povo que não existe mais! Os assírios a deixaram para as criaturas do deserto; ergueram torres de vigia, despojaram suas cidadelas e fizeram dela uma ruína.
14 Pranteiem, vocês, navios de Társis; destruída está a sua fortaleza!
15 Naquele tempo Tiro será esquecida por setenta anos, o tempo da vida de um rei. Mas no fim dos setenta anos, acontecerá com Tiro o que diz a canção da prostituta:
16 “Pegue a harpa, vá pela cidade, ó prostituta esquecida; toque a harpa, cante muitas canções, para se lembrarem de você”.
17 No fim dos setenta anos o SENHOR se lembrará de Tiro. Esta voltará ao seu ofício de prostituta e servirá a todos os reinos que há na face da terra. 18 Mas o seu lucro e a sua renda serão separados para o SENHOR; não serão guardados nem depositados. Seus lucros irão para  os que vivem na presença do SENHOR, para que tenham bastante comida e roupas finas.


23.1 Hebraico: Quitim; também no versículo 12.
23.10 O T exto Massorético diz Atravesse.
23.10 Hebraico: filha.
23.11 Hebraico: de Canaã.
23.13 Ou caldeus