Jó 4

BCC

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17   18   19   20
21   22   23   24   25   26   27   28   29   30   31   32   33   34   35   36   37   38   39   40   41   42

1 Então respondeu Elifaz, de Temã: 2 “Se alguém se aventurar a dizer-lhe uma palavra, você ficará impaciente? Mas quem pode refrear as palavras?
3 Pense bem! Você ensinou a tantos; fortaleceu mãos fracas.
4 Suas palavras davam firmeza aos que tropeçavam; você fortaleceu joelhos vacilantes.
5 Mas agora que se vê em dificuldade, você desanima; quando você é atingido, fica prostrado.
6 Sua vida piedosa não lhe inspira confiança? E o seu procedimento irrepreensível não lhe dá esperança?
7 “Reflita agora: Qual foi o inocente que chegou a perecer? Onde os íntegros sofreram destruição?
8 Pelo que tenho observado, quem cultiva o mal e semeia maldade, isso também colherá.
9 Pelo sopro de Deus são destruídos; pelo vento de sua ira eles perecem.
10 Os leões podem rugir e rosnar, mas até os dentes dos leões fortes se quebram.
11 O leão morre por falta de presa, e os filhotes da leoa se dispersam.
12 “Disseram-me uma palavra em segredo, da qual os meus ouvidos captaram um murmúrio.
13 Em meio a sonhos perturbadores da noite, quando cai sono profundo sobre os homens, 14 temor e tremor se apoderaram de mim e fizeram estremecer todos os meus ossos.
15 Um espírito roçou o meu rosto, e os pêlos do meu corpo se arrepiaram.
16 Ele parou, mas não pude identificá-lo. Um vulto se pôs diante dos meus olhos, e ouvi uma voz suave, que dizia: 17 ‘Poderá algum mortal ser mais justo que Deus? Poderá algum homem ser mais puro que o seu Criador?
18 Se Deus não confia em seus servos, se vê erro em seus anjos e os acusa, 19 quanto mais nos que moram em casas de barro, cujos alicerces estão no pó! São mais facilmente esmagados que uma traça!
20 Entre o alvorecer e o crepúsculo são despedaçados; perecem para sempre, sem ao menos serem notados.
21 Não é certo que as cordas de suas tendas são arrancadas, e eles morrem sem sabedoria?’


4.15 Ou vento
4.21 Alguns sugerem que o discurso de Elifaz termina no versículo 17.